7 de Fevereiro de 2015

Jantar-Debate


No dia 26 de Fevereiro de 2015 pelas 20H00 - Quinta das Lágrimas, Coimbra.


“A Liderança na Atividade Judiciária”

Com o Senhor Procurador-geral Adjunto, Dr. Amadeu Guerra, Diretor do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP)

Caras e Caros Repúblicos.

A crescente sofisticação da criminalidade moderna levanta novos problemas e desafios aos sistemas de justiça, principalmente às estruturas institucionais de combate ao crime complexo e organizado.
Sabendo-se que esses sistemas e estruturas, via de regra, não se conseguem adaptar tão rapidamente às mudanças empreendidas pelos avanços criminais, surge a necessidade de lançar mão de conceitos como liderança, estratégia e equipa para dotar as organizações que combatem esse tipo de criminalidade de meios para responder àquilo que é esperado de si.
Atuando num quadro de escassez de recursos, prazos legais e demonstração de resultados, torna-se necessário extrair o mais possível desses recursos, podendo emergir, então, o Ministério Público e os seus responsáveis como líderes e inovadores na forma como os sistemas de justiça criminais se adaptam e lidam com a criminalidade mais complexa e socialmente danosa.
O Departamento Central de Investigação e Ação Penal assume, assim, como estrutura essencial do Ministério Público para esse combate, um papel primordial nessa adaptação, sendo que as “políticas” tradicionais, organizações, estratégias e práticas do passado podem ter de ser revistas por insuficientes e ineficazes para o futuro.
Estruturas horizontais ou verticais, isoladas ou em equipas são todas escolhas para modelos organizativos neste âmbito, assumindo a liderança, numa acepção gestionária, uma importância vital nos resultados que se pretendem obter e na accountability de uma estrutura democrática e pública.
Convidamos assim todos os associados da República do Direito para este evento, contando com a presença do Exmo. Sr. Procurador-Geral Adjunto Amadeu Guerra, que nos falará sobre a liderança numa estrutura como o DCIAP.

Este jantar-debate é reservado aos associados da República do Direito e seus convidados.
Coimbra, 5 de Fevereiro de 2014

 

A Direção,


André Gonçalo Dias Pereira – Presidente – (Professor universitário)
Vice-Presidente – Fernando Gomes – Vice-Presidente – (Médico)
Conceição Carvalho – Tesoureiro – (Advogada)
Júlio Barbosa e Silva – Vogal – (Procurador-adjunto)
Rodrigo Pereira da Costa – Secretário – (Juiz de Direito)

Inscrições para cdb@fd.uc.pt até ao dia 23 de fevereiro de 2015



08 de Junho de 2015

Jantar-Debate


No dia 26 de Junho de 2015 pelas 20H00 - Quinta das Lágrimas, Coimbra


“O Homem do Futuro – Cyborg e implantes”

Caras e Caros Repúblicos.

Na continuidade da atividade da nossa República do Direito – Associação Jurídica de Coimbra, temos a honra de convidar os ilustres repúblicos para uma sessão em que vamos debater:

“O Homem do Futuro – Cyborg e implantes”

O orador convidado é o Prof. Doutor Alexandre Quintanilha (Doutorado em Física do Estado Sólido, Professor Catedrático no ICBAS e Coordenador do Instituto de Biologia Molecular e Celular no Porto, Presidente da Comissão de Ética para a Investigação Clínica).
Este evento terá lugar no próximo dia 26 de junho, sexta-feira, pelas 20 horas, durante um jantar/debate na Quinta das Lágrimas e logo após a Assembleia Geral cuja convocatória segue junto.
No sentido de aliciar os colegas repúblicos a participarem nesta reflexão solicitámos a um colega da Direção, o Fernando Gomes, a elaboração de um pequeno texto sobre o tema:
“ O Futuro sempre foi tema que preocupou o Homem ao longo dos séculos e estas preocupações refletiram-se em áreas tão díspares como a filosofia, a literatura, a medicina, a física, a arquitetura, enfim em todas aquelas que de alguma forma têm o Homem como alvo.
Do Inglês cybernetics organism, Manfred Clynes e Nathan Kline inventaram, em 1960, o termo Cyborg para se referirem a um Homem Melhorado para poder viver no espaço sideral.
A Ficção Científica tem desenvolvido o tema nas mais diversas vertentes. Os típicos Cyborgs das obras de ficção científica aparecem como uma síntese de partes orgânicas e artificiais e têm servido para o debate homem/máquina, permitindo reflexões sobre moral, livre-arbítrio, felicidade, enfim um futuro melhor para o Homem. Todos nos lembramos dos exemplos de Star Trek, Battlestar Galactica, Robocop, etc.
No entanto hoje podemos falar de Cyborgs reais quando falamos de pessoas que utilizando a tecnologia cibernética procuram a reparação ou a superação de deficiências, e com a ajuda da biónica e da nanotecnologia poderem regressar à “normalidade”.
Na Medicina poderemos referir dois tipos diferentes de Cyborgs : o restaurador e o realçador. Este ultimo tipo é o que maiores questões coloca no plano da ética.
A utilização da Estimulação Cerebral Profunda é hoje uma realidade, até aqui em Coimbra, no tratamento de doenças tão díspares como a Doença de Parkinson e a Perturbação Obsessivo-Compulsiva.
Ao contrário das próteses, os implantes biónicos permitem que os órgãos ou as partes do corpo se aproximem de suas respectivas funções originais. São hoje realidades, a “orelha biónica”, membros robóticos, coração artificial, etc.
O desenvolvimento contínuo da biónica e das nanotecnologias levanta questões sobre as possibilidades futuras dos ciborgues e se, com suas contribuições e usos, poderão superar o "modelo biológico", ou seja, o corpo humano propriamente dito. A questão ética tem sido muito debatida; os defensores das novas tecnologias costumam usar como argumento o fato de que estas tecnologias podem ajudar o ser humano a ter uma qualidade de vida melhor, limitando os impactos do envelhecimento e de doenças, aumentando fatores como a velocidade, a força, a resistência e a inteligência.
Já não estamos pois no tempo da Ficção Científica e avançamos num terreno em que para além dos avanços da ciência deparamos com novos e desafiantes problemas colocados à Ética e ao Direito no que concerne à salvaguarda dos direitos, liberdades e garantias dos cidadãos. Estamos preparados para as respostas necessárias ? “

Esperamos que a escolha deste tema tão atual e a excelência do orador estimule a participação ativa dos colegas repúblicos.
Contamos consigo. Até lá !

A Direção,


André Gonçalo Dias Pereira – Presidente – (Professor Universitário)
Fernando Gomes – Vice-Presidente – (Neurocirurgião)
Conceição Carvalho – Tesoureira – (Advogada)
Rodrigo Pereira da Costa – Secretário Vogal – (Juiz de Direito)
Júlio Barbosa e Silva – Vogal – (Procurador-Adjunto)

P.S.:

Por razões de natureza logística torna-se necessário fazer a sua inscrição junto de qualquer membro da Direção até dia 23 de junho, de preferência para: conceicaocarvalho.adv@gmail.com
O pagamento (jantar) 25€, será processado no local.